10 livros ambientados na França

2020-06-16T14:29:33-03:00

Se você ama livros e viagens trago aqui 10 livros ambientados na França para te ajudar a escolher sua próxima viagem literária.

Ler histórias ambientadas em determinada região, facilita a montagem de um próximo roteiro. Foi o que fiz antes das minhas últimas viagens à França.

Se a França está nos seus desejos de viagem, neste post compartilho 10 livros, de diversos tipos, que poderão te inspirar a montar seu roteiro por este país encantador (e não cometer o erro de passar apenas por Paris).

10 livros com histórias que se passam na França

1- Paris é uma Festa – (Ernest Hemingway)

Mas vamos começar por Paris, já que grande maioria das pessoas chega à França pela capital. E este livro faz a gente se apaixonar pela cidade luz, não tem jeito.

Capa do livro Paris é uma Festa
Capa de uma das edições do livro Paris é uma Festa

Encontramos aqui um Hemingway em início de carreira, passando por dificuldades em relação à sua arte e subsistência na Paris dos muitos artistas célebres do início do século XX.

Viajamos com ele em suas andanças pelos cafés da cidade, pelo Quartier Latin e as margens do Sena. Vemos as dificuldades da escrita, as relações com a esposa, os amigos como James Joyce, Scott Fitzgerald, entre outros famosos.

E claro, a cidade continua com muitos atrativos turísticos, mas como não ir à Paris e visitar a tão famosa Shakespeare and Company, livraria que abrigou tantos artistas ingleses da chamada geração perdida e que hoje ainda incentiva os novatos. Um lugar que te proporciona uma volta ao tempo de Hemingway e sua icônica festa em Paris.

Fachada da livraria Shakespeare and Company
Fachada da livraria Shakespeare and Company. Lá dentro fotos são proibidas.

2- A livraria Mágica de Paris – (Nina George)

E já que acabamos de falar em livraria, este livro narra a história de um livreiro que não indica livros e sim ¨receita-os¨para tratar os males da alma.

Capa do livro A Livraria Mágica de Paris
Capa do livro: A Livraria Mágica de Paris

Jean Perdu tem sua livraria montada num barco ancorado em Paris, mas que se vê obrigado a navegar até o sul da França para resolver questões que vem tentando esquecer.

É a descrição desta viagem que nos faz querer conhecer um pouco mais do interior do país, em especial a Provence.

Gorges du Verdon- Provence
Gorges du Verdon – Alpes de Haute Provence

3 – Carta a D. – História de um amor – (André Gorz)

Mas vamos falar agora de amor. E para isso ficaremos ainda um pouco mais em Paris, onde o autor e filósofo do pós-guerra André Gorz, naturalizou-se francês (ele nasceu em Viena) em 1957, passando a atuar também como jornalista e ter uma intensa atividade política.

Capa do livro Carta a D. da Companhia das Letras
Capa do livro Carta a D. da Companhia das Letras

Sua obra Carta a D., é narrada como uma carta simples a Dorine, mulher ao lado de quem passou a vida e sofria de uma doença degenerativa incurável. O autor nos traz uma declaração de amor emocionante, assim como histórias da militância do casal, suas trajetórias intelectuais e o companheirismo de duas pessoas apaixonadas.

Um relato emotivo, intenso, curto e com um fim absolutamente comovente.

Você está para fazer oitenta e dois anos. Encolheu seis centímetros, não pesa mais que quarenta e cinco quilos e continua bela, graciosa e desejável. Já faz cinquenta e oito anos que vivemos juntos, e eu amo você mais do que nunca. De novo, carrego no fundo do meu peito um vazio devorador que somente o calor do seu corpo contra o meu é capaz de preencher.

Trecho do livro Carta a D. de André Gorz

4- Um Ano na Provence – (Peter Mayle)

Então vamos à Provence, esta região tão amada por muitos turistas e que nos faz querer voltar muitas vezes.

Peter Mayle fez mais, gostou tanto que saiu da Inglaterra e fez da Provence seu lar.

Capa do livro Um Ano na Provence
Capa do livro – Um Ano na Provence

Esta mudança, um tanto dificultosa para os padrões ingleses, e a paixão de Mayle pelo modo de vida do francês local, vemos narrada de forma leve e descontraída em Um Ano na Provence.

O livro foi sucesso e fez também milhares de leitores incluírem a região no topo de suas listas de lugares para conhecer antes de morrer.

Em março deste ano minha viagem à região foi interrompida pela pandemia, mas o pouco que vi me fez dar total razão ao autor. Falo mais deste livro no post: Um ano na Provence: a escrita do cotidiano.

Moustiers-Sainte-Marie- Provence
Em Moustiers-Sainte-Marie- Provence

5- O homem que plantava árvores – (Jean Giono)

Este é um relato de viagem imperdível. Estamos novamente na Provence de outra época.

Giono nos leva ao sul da França do início do século XX, descrito como um lugar desolado, desprovido de tudo. Ermo, descampado, seco.

Capa do livro: O Homem que plantava árvores
Capa do livro: O Homem que plantava árvores

Neste local, onde os Alpes entram pela Provença e onde nasceu o autor, que se inicia a narrativa de O Homem Que Plantava Árvores.

Uma forma diferente de conhecermos o sul da França de antes da Primeira Guerra e acompanharmos sua transformação nas inúmeras vezes em que o narrador retorna ao local.

Leitura deliciosa, poética e realmente imperdível. E que me levou a querer conhecer Manosque, a cidade natal do autor.

Falo mais deste e do próximo livro desta lista no post: Sul da França: 2 livros sobre relatos de viagens pela Provence.

Manosque, cidade natal de Jean Giono
Manosque, cidade natal de Jean Giono

6 – Viagem com um burro pelas Cevenas – (Robert Louis Stevenson)

Este é também o relato de uma viagem em direção ao sul da França, só que pelo olhar de Robert Louis Stevenson, mais conhecido como autor de outros gêneros literários como A ilha do tesouro ou O estranho caso do Dr. Jekyll e Sr. Hyde.

Capa do livro: Viagem com um burro pelas Cevenas
Capa do livro: Viagem com um burro pelas Cevenas

Muito antes destas publicações, por volta de 1878, Stevenson põe na cabeça que vai exploras as Cevenas, cadeia montanhosa localizada no sul da França.

Planeja tudo que um turista escocês precisaria carregar em um burro para tal empreitada, que causou surpresa no hospitaleiro povo montanhês da época.

A inconstância do percurso, com tantos atalhos e desvios, faz o sucesso da viagem. E mesmo em regiões onde aparentemente não há nada a se ver, Stevenson vê muitas coisas.

Falo mais deste livro no post: Sul da França: 2 livros sobre relatos de viagens pela Provence.

7 – Labirinto – (Kate Mosse)

Saímos um pouco da Provence e seguimos agora para Carcassonne, a magnífica fortaleza medieval do Languedoc.

Uma cidade medieval cercada por muralhas antigas, que nos faz voltar ao tempo dos cátaros e às guerras que ali travaram. Kate Mosse ambienta sua história na Carcassonne de 2005 e de 1209 simultaneamente.

Capa do livro: Labirinto, de Kate Mosse
Capa do livro: Labirinto, de Kate Mosse

Um achado arqueológico desencadeia uma sequência de acontecimentos que liga a protagonista Alice (2005) à sorte dos cátaros (1209). E o estranho labirinto parece ligar tudo isto a um segredo que remonta a milhares de anos e aos desertos do antigo Egito.

A descrição da cidade em duas épocas distintas em Labirinto e seu ambiente de mistérios, guerras e amores, nos faz colocar Carcassonne na lista de cidade medievais imperdíveis. Em 2012 Labirinto ganhou sua versão em filme, com direção de Christopher Smith.

Entrada da Cité Medieval de Carcassonne
Na entrada da Cité Medieval de Carcassonne

Conheci uma Carcassonne sem muitos turistas em março de 2020, pouco antes da pandemia interromper nossa viagem. E é sempre muito interessante estar em locais tão antigos, descritos em livros que nos prendem por muitos dias. Como na foto abaixo.

Pia batismal de Saint Nazaire, em Carcassonne

Se você viu o filme Labirinto, vai reconhecer o local onde um dos preciosos livros da trilogia é escondido, atrás de uma pedra, próximo à pia batismal da igreja de Saint Nazaire, na Cité Medieval.

8 – Cyrano de Bergerac – (Edmond Rostand)

Vamos viajar agora à Bergerac, cidade francesa do departamento da Dordonha, conhecida por seus excelentes vinhos e pelo célebre personagem: O Cyrano de Bergerac, da peça mais famosa do poeta e dramaturgo francês Edmond Rostand.

Montada e encenada em todo o mundo, foi baseada na vida do escritor Savinien de Cyrano de Bergerac.

Para a peça de Edmond Rostand temos algumas traduções para o português, como a de Ferreira Gular abaixo:

Capa do livro: Cyrano de Bergerac
Capa do Livro Cyrano de Bergerac

Além de escritor famoso em sua época,  o Cyrano destacou-se também como soldado e espadachim, envolvendo-se em muitos duelos.

Cyrano foi retratado na peça com um grande nariz. Como vemos na estátua em sua homenagem no centro histórico de Bergerac.

Estátua do Cyrano de Bergerac no centro histórico
Estátua do Cyrano de Bergerac no centro histórico de Bergerac

Falo mais sobre a cidade de Bergerac e nossa viagem no post: Bergerac e seu Cyrano, na Dordonha.

9- Arsène Lupin – O Ladrão de Casaca – (Maurice Leblanc)

Se você curte clássicos da literatura policial já ouviu falar de Arsène Lupin, a irônica resposta francesa a Sherlock Holmes.

Lupin, um ladrão refinado e anarquista, um anti-herói que entre 1905 e 1941 protagonizaria 15 romances, 3 novelas, 38 contos distribuídos em 23 livros e mais 4 peças de teatro. O mais famoso personagem do escritor francês Maurice Leblanc.

A edição de bolso abaixo, da Zahar, conta com 9 das primeiras aventuras de Arsène Lupin, com posfácio de Leblanc e sua cronologia de vida e obra. A editora também lançou outra edição de bolso, que narra Arsène Lupin contra Herlock Sholmes (isso mesmo, não digitei errado não).

Capa do livro: O ladrão de casaca - Ed. Zahar
Capa do livro: O ladrão de casaca – Ed. Zahar

Maurice Leblanc, nascido em Rouen, viu também seu famoso personagem ganhar as telas do cinema. E quando viu Lupin ser comparado ao famoso detetive de Conan Doyle, sempre afirmou que não havia lido nada sobre Sherlock Holmes, e fora mais influenciado por outros autores como Edgar Allan Poe e Balzac.

Embora as histórias escritas por Leblanc sejam inúmeras e ambientadas em diferentes locais, incluí a Normandia em meu último roteiro de viagem (que foi cancelada pela pandemia). Pretendia visitar não só Rouen, (mais pela parte histórica de Joana D’Arc do que por ser a cidade de Leblanc, na verdade) e também Étretat, local escolhido para o romance A Agulha Oca, outra uma aventura de Arsène Lupin. Ficou para a próxima viagem, tomara!

Étretat - A Agulha Oca
Étretat – A Agulha Oca (foto : Wikipedia)

Em Étretat encontramos também o museu Le Clos Lupin (Maurice Lupin House, destinado a contar a história de Leblanc e Lupin.

Le Clos Lupin Museum em Étretat
Le Clos Lupin Museum em Étretat (foto: Normandie tourisme)

10- Joana d’Arc, jovem, líder, bruxa, santa – (Helen Castor)

E por falar em Rouen, este livro é um relato da historiadora Helen Castor, sobre a famosa heroína que está presente em muitos pontos turísticos da cidade.

Claro que Rouen tem muitos atrativos turísticos, como sua famosa catedral gótica e seu Grande-Relógio astronômico do séc XIV, mas lá encontramos uma igreja destinada à hoje santa católica e também o local onde a jovem foi queimada como bruxa na Idade Média, além do museu Joana D”Arc.

Capa do livro: Joana D'Arc - Ed. Gutemberg
Capa do livro: Joana D’Arc – Ed. Gutemberg

O livro de Helen Castor, combina caráter e circunstância, fé religiosa e maquinação política, para nos nos apresentar não apenas a Joana D’Arc icônica, mas uma jovem vibrante e atrevida que em meio aos tumultuados eventos de seu tempo toma partido em uma sangrenta guerra civil, exceção às regras que governavam a vida de outras mulheres.

Vocês, homens da Inglaterra, que não têm direito algum neste reino da França, o rei dos céus os ordena e comanda, através de mim, Joana, a Donzela, que abandonem suas fortalezas e voltem para sua terra. Se não, eu darei um grito de guerra que será lembrado para sempre.

Joana D”Arc aos ingleses em Orléans, 5 de maio de 1429.

Rouen , capital da Normandia, também estava no nosso roteiro cancelado e ficou para uma próxima viagem pós pandemia.

Espero que aproveitem para viajar nestes 10 livros ambientados na Franca, enquanto isso a gente vai em busca de outras viagens literárias.

E se quiser dar uma esticadinha até a Inglaterra, veja o post: 3 dias + 10 livros ambientados em Londres.

E para te dar segurança em montar por conta própria um roteiro para sua próxima viagem, veja o post: Como planejar uma viagem passo a passo.

Compartilhe:

Deixar um comentário